Gerenciamento de crise

Melhores práticas para conselhos e executivos durante o COVID-19

Para muitos conselhos, ajudar as suas empresas a enfrentar uma crise não é novidade. Já enfrentaram ataques cibernéticos, desastres naturais e muito mais.

Mas a nova pandemia de coronavírus difere da “crise como de costume” em muitos aspectos. A situação é global, com repercussões de longo período e multifacetadas. O COVID-19 já perturbou os mercados financeiros em todo o mundo, paralisou o movimento de pessoas e mercadorias, provocou recolha obrigatória e bloqueios em todo o país, cancelou as temporadas desportivas e restringiu movimentos e vôos internacionais. Está a dominar tanto o discurso privado como a política pública, e o vírus continua-se a espalhar. COVID-19 é um tipo diferente de crise.

No entanto, como em qualquer evento decisivo, esta pandemia também apresenta uma oportunidade para os membros do conselho e executivos assumirem as suas funções de liderança e criar confiança.

Abaixo, estão algumas dicas para ajudar executivos e membros do conselho a destacarem-se – tanto como líderes como seres humanos – durante este momento decisivo.

Considere o impacto nos negócios de todos os ângulos

Desde as vendas até a cadeia de distribuição e ás licenças médicas dos funcionários, o COVID-19 está a afetar todos os aspectos das operações comerciais. A função de um conselho é ajudar a gerência a entender como esses fatores se inter-relacionam para que a empresa possa responder com mais eficiência.

Entre as outras considerações do COVID-19: cadeias de distribuição e sourcing, entrega de bens e serviços, fluxo de caixa e liquidez e disponibilidade de financiamento por dívida e património.

É parte das responsabilidades do Conselho de Administração rever seus processos com autocrítica e isenção. A adequação às novas directrizes da gestão corporativa envolve a modernização e, muitas vezes, a digitalização dos meios para acceder e compartilhar informação. As nossas ferramentas oferecem soluções de diferentes perfis e propósitos que asseguram ao gestor a tranquilidade de contar com as melhores práticas de governança corporativa.

Atenda a cada grupo de Stakeholders

Em tempos de crise, os funcionários precisam de ter seguranças sobre os seus empregos. Os clientes desejam ter certezas sobre a segurança de bens e serviços. Os fornecedores desejam saber quando (ou se) serão pagos e a perspectiva de pedidos futuros. E os investidores, é claro, seguem de perto os indicadores financeiros, como o preço das ações.

É importante que os conselhos e as equipas de gestão mantenham o pulso de cada grupo de partes interessadas – e adaptem a mensagem com base nas necessidades de cada um. Como a situação do COVID-19 muda constantemente, a organização também deve monitorizar como o sentimento das partes interessadas está a evoluir. Considere como é que a sua organização pode avaliar a “saúde” das conversas em cada grupo de partes interessadas.

Comunique excessivamente

Quando todo o e-mail e artigo parece levar ao “coronavírus”, é fácil sentir que se está apenas a contribuir para o barulho. Os líderes das empresas devem resistir a essa tentação.

O papel do conselho é tornar a resposta do COVID-19 um item permanente da agenda – e proteger linhas de comunicação abertas, claras e eficazes entre diretores e gerência. Isso permite colaboração e flexibilidade à medida que os eventos se desenrolam. As recomendações da Associação Nacional de Diretores Corporativos (NACD) incluem:

  • Garantir que os líderes das empresas tenham acesso a fontes de informação relevantes e respeitáveis; garantir que as equipas e os planos certos estejam disponíveis para a tomada de decisão e resposta
  • Estabelecer protocolos sobre quem comunica o quê e por que canais. Por exemplo, crie comunicações internas para manter a cultura e a produtividade da força de trabalho; reforçar as relações com investidores para continuidade dos negócios, risco e impacto operacional
  • Equilibrar a necessidade de transparência com a prevenção de riscos de litígios

Entre táticas e partes interessadas, um objetivo é constante: comunicar de uma maneira que mostre empatia e liderança.

Aja com rapidez, eficácia e empatia

Numa situação tão crítica, complexa e que muda rapidamente como o COVID-19, é fácil sentir-se desafiado a determinar o caminho certo a seguir.

Felizmente, conselhos e executivos podem estar mais preparados do que pensam. Um plano de resposta a crises já pode estar em vigor para uma violação cibernética, desastre natural ou acidente de trabalho.

À medida que a pandemia continua a ocorrer, a prioridade mais importante é manter a situação em primeiro plano e liderar de maneira oportuna, atenciosa e empática. Nas palavras de Betsy Atkins: “O que as pessoas se vão lembrar, é de como você se comporta numa crise”.

Em tempos de crise como o COVID-19, é fundamental que diretores e executivos usem ferramentas de mensagens seguras para conduzir os negócios do conselho e discutir outros tópicos e questões sensíveis.